Blog

Acompanhe as notícias sobre acupuntura

Tratamento de sinusite e problemas respiratórios com Acupuntura

Todos os anos, com a chegada do inverno e as mudanças bruscas de temperatura, as pessoas são acometidas pelas doenças da estação, especialmente  sinusite e rinite, que atingem as vias respiratórias superiores. A acupuntura tem trazido ótimos resultados no tratamento e prevenção da sinusite, diminuindo a intensidade das crises, espaçando as ocorrências, estimulando a produção de analgésicos naturais (serotonina, neuromediador produzido no cérebro) e  fortalecendo o sistema imunológico

A técnica visa, principalmente, o alívio da dor e desbloqueio dos óstios de drenagem dos seios da face, atuando na liberação de substâncias que agem sobre neurotransmissores e neuromediadores, restabelecendo o bom andamento das funções que estavam alteradas, além de aumentar a produção de corticóides e analgésicos naturais que possuem ação anti-inflamatória e diminuem a dor.

Através do tratamento com acupuntura, há relatos de pacientes que obtiveram melhoras na primeira sessão, com a redução da secreção e o descongestionamento das vias aéreas minutos após a aplicação. Normalmente, os médicos especialistas em acupuntura  estimam que após cinco sessões, já é possível perceber resultados.

Segundo o dr Hildebrando Sábato, presidente do CMBA – Colégio Médico Brasileiro de Acupuntura – a  ciência já tem bem estabelecidos os mecanismos de ação da Acupuntura que se dá  através da modulação do sistema nervoso central e periférico,  envolvido com os processos neuroendócrinos (glândulas), imunológicos e inflamatórios (sistema de defesa) e até circulatórios do organismo.

Para o especialista, no caso das patologias crônicas, como o da sinusite, há uma espécie de “equilíbrio” entre as condições do adoecimento e as reações do organismo a elas, o que mantém a cronicidade da doença e seus sintomas correlatos, seria como se o organismo se resignasse diante deles.  “A Acupuntura, através da introdução de finas agulhas em pontos específicos, conhecidos como sítios neuroreativos, pode provocar novamente uma reação orgânica através das vias neurais ligadas a eles, podendo-se esperar, após algumas sessões da técnica, uma melhora dos sintomas e da qualidade de vida dos pacientes”, conclui dr Sábato.